Posts Tagged ‘porto de aveiro’

Vítimas seguiam no barco sem coletes

Setembro 28, 2009

Colisão_Lanchas_São Jacinto_1

Colisão_Lanchas_São Jacinto

Os três mortos na colisão entre dois barcos-táxis não tinham coletes quando foram resgatados da água. Uma criança morreu, apesar dos mergulhos do pai para a salvar

As três vítimas mortais, entre as quais uma criança, que resultaram do acidente ocorrido ontem, ao princípio da manhã, na ria de Aveiro, junto a S. Jacinto, foram resgatadas da água sem coletes de salvação, admitindo-se, entre os meios de socorro no local, que, nesta situação, dificilmente os traziam vestidos, como é obrigatório.

Esta é só uma das muitas questões que o inquérito aberto pela Capitania do Porto de Aveiro vai tentar responder para apurar as circunstâncias em que se deu a colisão entre dois barcos boca-aberta licenciados para transporte de pessoas, uma espécie de serviço de táxi marítimo a que os pescadores desportivos recorrem para chegar aos molhes da barra do Porto de Aveiro.

O espesso manto de nevoeiro que cobria a ria de Aveiro desde o meio da madrugada surgiu logo como a causa mais provável, mas não a única, do acidente ocorrido pouco antes das 06.00, que provocou, além dos mortos, ferimentos ligeiros em mais quatro pessoas, uma deles o mestre da lancha que foi abalroada.

O Vera e Cristiana estava a sair para um transporte. Levava, além do mestre, 11 pessoas, de vários grupos de pescadores do Norte do País, que iria deixar nos molhes da Barra do Porto de Aveiro. Um segundo barco regressava ao cais de S. Jacinto com duas pessoas e o skipper, segundo informou a empresa proprietária, a Alquimia do Mar. A lancha de volta à vila piscatória foi abalroar, por estibordo, com a proa, a que seguia rumo aos molhes, voou literalmente e, ao cair, ajudado pelo excesso de água, fê-la adernar, sem ir ao fundo.

A maioria dos passageiros do Vera e Cristiana foram cuspidos borda fora, mas três ficaram debaixo do casco, acabando por ser retirados, por mergulhadores dos Bombeiros Novos de Aveiro. A criança de 12 anos que perdeu a vida tinha sinais de ferimentos graves. O pai tentou, em mergulhos sucessivos, salvá-la.

Entre o momento do alerta e o de chegada dos meios de emergência ao local passaram entre cinco e dez minutos. Houve pânico inicial até serem resgatados os três corpos que estavam sob a embarcação, porque pensou-se que estariam mais pessoas desaparecidas.

Texto de Júlio Almeida e Joana Capucho

Fotos de Ana Jesus Ribeiro

Anúncios

Maior veleiro do mundo encanta em Aveiro

Setembro 6, 2009
Munfred Hoppe - oficial alemão

Munfred Hoppe - oficial alemão

Estava um sol radioso às 10.00, a ria era um espelho azul e um grande albatroz era novidade na paisagem. De velas recolhidas, estava o russo Sedov, construído em 1920 e considerado o maior veleiro do mundo pelos seus 108,7 metros de comprimento, quatro mastros e capacidade para transportar uma tripulação de cerca de 300 pessoas.

Grupos de jovens, de tronco nu, movimentavam-se um pouco por todo o lado na grande embarcação, atracada no Porto de Aveiro, concelho de Ílhavo. O Sedov interrompeu a viagem entre a Holanda e o Mónaco para matar saudades do porto onde atracou em Setembro de 2008, na Regata dos Grandes Veleiros.

Carlos Sousa e Maria Natália, emigrantes nos EUA, foram os primeiros visitantes. “Viemos a Portugal passar umas férias, demos uma volta pela ria e viemos parar aqui”, explicou o ex-marítimo. Ao contrário deste casal, muitos acabavam por desistir da entrada ao saberem que custava 3 euros.

Subidas as escadas do portaló, Munfred Hoppe, oficial alemão, fez um roteiro ao casal de emigrantes. “O Sedov é um navio-escola para cadetes que ambicionam tornar-se oficiais, mecânicos e especialistas de rádio, mas tem também uma vertente turística”, explicava Munfred Hoppe. Daí os camarins, o espaçoso bar, um museu, a loja de lembranças e uma espaçosa sala de cinema, mordomias que custam ao turista 80 euros por noite.

O Sedov fica atracado até amanhã, podendo ser visitado hoje, entre as 10.00 e as 21.00.

Texto de Joana Capucho
Foto de Ana Jesus Ribeiro

Maior veleiro do mundo volta a atracar em Ílhavo

Setembro 4, 2009

SEDOV

O maior veleiro do mundo, o STS SEDOV, regressa hoje ao município de Ílhavo, depois da sua passagem em Setembro de 2008, no âmbito da Regata dos Grandes Veleiros. O Porto de Aveiro foi o escolhido como porto de paragem da sua viagem entre Delfzijl (na Holanda) e o Mónaco.
O STS SEDOV chega hoje e ficará durante três dias, até segunda-feira. O navio, atracado no Terminal Norte do Porto de Aveiro, vai estar aberto ao público para visitas no sábado e no domingo (dias 5 e 6), entre as 10.00 e as 20.00.
O STS SEDOV é o primeiro veleiro “Classe A” a visitar o município e o Porto de Aveiro desde que, em Março de 2009, o Porto obteve o estatuto de “Friendly Port”, que garante aos grandes veleiros que o visitam condições excepcionais de estadia.

Texto de Joana Capucho

Foto de Ana Jesus Ribeiro

“o dia da marinha em aveiro: uma imersão passada e com o barracuda”

Maio 24, 2009

o N.R.P. “barracuda” é o segundo submarino da classe “albacora”, que foi encomendada em 1964 ao estaleiro francês “ateliers dubigeon-normandie” em nantes.
a quilha foi assente em 19 de outubro de 1965, foi lançado à água em 24 de abril de 1967, tendo realizado, também em st. nazaire a sua primeira imersão em 23 de abril de 1968. a 9 de outubro de 1968 foi aumentado aos efectivos da armada. a 13 de outubro do mesmo ano, entrou pela primeira vez no rio tejo, rumo ao seu porto de armamento, a base naval de lisboa.[…]Barracuda_Primeira_Imersão_1968
Barracuda_Lançada_Água_1967Barracuda_Sagres_Partida_2009

a reunião da câmara municipal de ílhavo vai ser…

Setembro 22, 2008

… hoje à noite a bordo do maior veleiro do mundo, do SEDOV!

“dá pica!”

o frenesim no içar

Setembro 21, 2008

a Regata dos Grandes Veleiros no terminal norte do porto de aveiro, ílhavo.

só o cheirinho de um frenesim.

até terça e “içarei mais de mim”.

“SEDOV’s atenciosos e eu de cá”

Setembro 20, 2008

 

“excuse-me… it’s mine!

… uma voz [o sr. da câmara] por detrás de mim, ao mesmo tempo a tocar-me no ombro, todo regalado a apontar para a embarcação SEDOV. pudera. tinha-o na mira da minha objectiva e o veleiro era “deles” [parte dos tripulantes na foto], o maior veleiro do mundo, disseram-me de antemão assim que cheguei, dos 21 veleiros participantes da regata dos grandes veleiros, regata comemorativa dos 500 anos do funchal.

SEDOV é da Rússia e data de 1920.

e virei motivo: disseram-me onde sentar-me e tudo, enquadrada junto do veleiro MIR [1987], também russo e para sacar de uma foto [relíquia igualável].

o MIR mereceu um elogio dos marinheiros do SEDOV, comparativamente ao veleiro deles e para uma leiga como eu que só via “grandeza por fora”: “o nosso é o maior mas este é mais rápido”, “em inglês e em francês lá pescava”.

 

foram atenciosos e “eu de cá”. o meu registo pioneiro da regata, estes “estrangeiros” que bem me receberam abordando.

 

toda a frota [três veleiros ainda não tinham chegado, ainda eu lá] encontra-se no terminal norte do porto de aveiro, ílhavo.

 

as velas içadas e majestosas, somente na parada naval e na terça-feira dia 23 de setembro de 2008, na partida rumo ao funchal e todos os privilegiados que assim queiram “ver”, à zona do Meia Laranja do porto de aveiro devem permanecer pelas 10 horas da manhã.

até lá… “a bordo por terra” e umas actividades para levarem de recordação do município de ílhavo e dos ilhavenses [e destes, já sabido os seus testemunhos satisfatórios pois comitiva veio junto desde Falmouth, inglaterra]