Posts Tagged ‘esmoriz’

“uma cadeira de carrossel não foi a brincar para um pai e seus três filhos”

Setembro 1, 2009

Acidente_Carrossel_Esmoriz_11 

carrossel não tinha licença da câmara de ovar e seguradora pode fugir a pagamentos. cadeira soltou-se em andamento e foi projectada. pai e filho sofreram ferimentos graves. outros dois filhos feridos de forma ligeira.

http://dn.sapo.pt/inicio/portugal/interior.aspx?content_id=1349917&seccao=Norte

Acidente_Carrossel_Esmoriz_12 Acidente_Carrossel_Esmoriz_António_Gomes

António Gomes, da comissão de festas, estranhou a exigência de um pedido de ocupação público.

autorizado o arraial, as diversões interessadas apresentam a documentação exigida e negociam os pagamentos, que podem variar entre a centena e quase mil euros. em esmoriz, eram doze equipamentos. “para nós, estava tudo legal”, disse o elemento da comissão de festas, confessando-se “já sem coragem de cobrar o dinheiro” ao proprietário envolvido no acidente.

http://dn.sapo.pt/inicio/portugal/interior.aspx?content_id=1349727&seccao=Norte

“se sonhássemos” tais coisas…

Anúncios

‘Diabinha’ leva praia até à final

Agosto 27, 2009

V%c3%a2nia_San..[1]

“Isto dá muito trabalho”, explicava sorridente a avó de Tomás Birra, enquanto o pequeno artista se empenhava em rasgar as algas que dariam cor aos vulcões que levantava do areal da praia da Barrinha, em Esmoriz, em mais uma edição das Construções na Areia. A névoa matinal não afastou as dezenas de participantes, familiares e veraneantes atentos, empenhados em ver a areia ganhar formas.

A adesão dos jovens do escalão A, dos 6 aos 11 anos, foi grande e, além de esgotarem as inscrições, ocuparam ainda os lugares deixados pelos mais crescidos, do escalão B. A escassos metros do mar que, pela agitação, não convidava a banhos, os jovens davam asas à imaginação. Com o auxílio de baldes de água, pás, pincéis e espátulas, nasciam no areal as habituais esculturas de cavalos-marinhos, tartarugas, sereias, borboletas e castelos.

Mas foi a “diabinha” esculpida por Vânia Santos, de 12 anos, que encantou o júri e que levará a Barrinha até à final, no dia 6 de Setembro. Com uma espátula e uma esponja, a jovem esculpiu minuciosamente uma “diabinha” apetrechada de um tridente e, a seus pés, várias chamas de fogo. “Gosto de diabos, caveiras e essas coisas”, explicou ao DN. O irmão, Tiago Santos, de 8 anos, conquistou pela primeira vez o primeiro lugar do escalão A. “É um caranguejo a tentar apanhar um peixe, mas não consegue porque tem que esticar mais o braço”, diz Tiago.

Inspirada nos pescadores que desde pequena vê naquela praia e que, como faz questão de salientar, “são uma das características da zona”, Bárbara Vaz, de 14 anos, conquistou o segundo lugar do escalão B. Com os materiais de construção nas mãos, os pequenos artistas abandonaram os seus lugares para a fotografia de grupo. O grito final demonstrava o entusiasmo: “Viva as construções na areia”.

Texto de Joana Capucho

Foto de Ana Jesus Ribeiro

“precisa! é alguém como nós, como eu e a menina!”

Dezembro 7, 2008

“diga-me uma só coisa, Seu Manuel: este totalista é alguém que precisava?”

“precisa! é alguém como nós, como eu e a menina, com certeza… que precisava de trabalhar!”

totalista_alguem_como_noshttp://dn.sapo.pt/2008/12/07/sociedade/excentrico_esmoriz_aposta_euros_e_ga.html

 

a predisposição de todos nós e do tamanho do mundo denunciando o contentamento pela felicidade alheia, quem de rosto e de tão trémulo precisava!